Arquivos | Poros Feed RSS para esta seção

AHA by Cleansing Research Oil Cleansing N

2 mai

AHA by Cleansing Research é uma marca japonesa da BCL Company. É uma linha especifica de limpeza com Alpha-Hidroxiácidos (AHAs) e indicado para quem busca uma pele mais fresca e refinada.

aha+by+cleansing+research+cleansing+oil1

São várias séries de produtos recomendadas para cada tipo de necessidade: regular, acne, sensitive, formada por limpadores em barra, óleo, gel, espuma, mousse, creme e .

Vocês poderão mais detalhes no site japonês da marca.

O AHA utilizando na composição dos produtos é o Ácido Málico, encontrado em frutas como maçã e pera (olhem o ícone da marca: uma maçã). Ele atua reduzindo a queratinização da pele, melhorando a superfície córnea, mas também pode ser utilizado como regulador de pH e aromatizador. Alguns produtos podem ter também Ácido Lático e Cítrico.

O produto que estou usando é um óleo bem diferente dos que eu já testei: AHA by Cleansing Research Oil Cleansing N:

aha+by+cleansing+research+cleansing+oil2

Frasco de 145 mL.

Embalagem em frasco com válvula pump que permite melhor economia do produto. Utilize dois “pumps” para toda a face:

aha+by+cleansing+research+cleansing+oil3

Saída dosadora pump.

Alegações: óleo de limpeza indicado para higienização profunda e renovação da pele. Remove maquiagem, mesmo rímel à prova d’água, células mortas e o sebo oxidado dos poros, prevenindo a formação de comedões.

Pode ser usado sobre a pele seca ou úmida, inclusive durante o banho.

Como afirmei acima, é um óleo diferente, porque tem uma textura mais espessa, amarelada, alguns comentam que lembra um “soro” – sabe a densidade de um mel? – e espalha suavemente sobre a pele, sem precisar esfregar o produto. O melhor é que também não escorre durante a aplicação:

aha+by+cleansing+research+cleansing+oil8

Um “pump” do produto e vejam como rende.

Utilizo dois “pumps” como indicado e consigo perfeitamente massagear toda a face.

Outra diferença é que pode ser utilizado com a pele úmida como se fosse um sabonete em gel ou líquido. É exatamente assim que parece.

Durante a execução, pode-se perceber o óleo “dissolvendo” o protetor solar e maquiagem, criando uma aparência de emulsão, mas isso é a mistura dos cosméticos com o óleo, porque praticamente não emulsiona quando umedecido com os dedos – não de formar uma consistência mais leitosa – e, após o enxágue, sai completamente da pele, sem deixar resíduos oleosos.

A leitora Makie, por exemplo, usa este produto com a pele úmida, no chuveiro.

Outra característica é que eu não sinto a necessidade de utilizar uma espuma após o enxágue do produto. No site eu não vi a indicação de dupla limpeza. Mas eu aplico um gel de limpeza para concluir a higienização, e ainda, assim, não sinto ressecar a pele.

Como eu já tinha lido resenhas da versão soap, que atua como um peeling químico, fiquei com receio de usar o óleo, prevendo ardência ou repuxamento, mas nada disso aconteceu

O que eu observei foi que, além de remover bem o suor, sebo e cosméticos (filtro e ), também percebi que suaviza a camada mais superficial da pele: meu nariz costuma ficar mais áspero no final do dia, com uma textura mais grossa (células mortas, sebo e protetor solar), e após a limpeza, sinto que a pele fica mais lisa. Porém, é bem sutil, mas para um óleo de limpeza, já considero um quesito positivo.

Para melhor resultado, seria indicado após o óleo, utiliza a espuma ou barra de limpeza da marca.

Não uso maquiagem, mas resolvi fazer um pequeno teste usando alguns produtos da minha mãe (batom, , lápis, sombras, rímel…):

aha+by+cleansing+research+cleansing+oil4

Alguns itens de maquiagem: batom, pó, sombra…

Apliquei um “punp” de óleo:

aha+by+cleansing+research+cleansing+oil5

Produto antes de emulsionar.

Em seguida, massageei com a pele úmida:

aha+by+cleansing+research+cleansing+oil6

Durante a massagem com a pele úmida todo os produtos de maquiagem já se foram.

E, após o enxágue:

aha+by+cleansing+research+cleansing+oil7

Bastante eficiente, não?

Observem que retirou praticamente tudo. Claro que eu usei pouca quantidade de alguns itens, mas acredito que deu para mostrar a eficiência do produto. No @Cosme, comunidade virtual de cosméticos, o AHA Oil Cleansing N está com boa cotação (4.6) e tem 447 reviews. Muitos confirmam o “poder” dele em remover produtos à prova d’água.

Alguns podem não apreciar o perfume de maçã, mas eu achei bem suave e agradável (adoro odor de maçã!).

O produto não leve óleo mineral, mas óleo de girassol e derivado de óleo de coco. Já utilizei um óleo demaquilante à base de óleo de coco e gostava, o Etude House Real Art Moisture, mas óleo de girassol ainda não tinha experimentado.

A empresa alega que utiliza um óleo híbrido de girassol para facilitar a a combinação com o Ácido Málico, ajudando na remoção de células mortas (queratinócitos) escurecidos e maquiagem mais resistentes.

O óleo de girassol é rico de ácido linoleico, um dos lipídios que compõe o manto hidrolipídico, e excelente emoliente. Este ingrediente pode ajudar na reparação do barreira epidérmica, além de outros benefícios, como ação bactericida, cicatrizante, anti-inflamatório  e até mesmo anticancerígena.

A dermatologista americana Leslie Baumann corrobora que a aplicação tópica de óleo de girassol aumenta os níveis de ácido linoleico na pele (sendo necessário níveis adequados para a manutenção  da saúde da pele), reduz a perda de água trans epidérmica e diminui os sintomas de ressecamento da pele.

Além dele, o produto conta com outros ácidos graxos essências proveniente do óleo de coco, Glicerina (umectante), Ácido Málico, etc.

Na introdução comentei sobre a função do Ácido Málico, Alpha-Hidroxiácido oriundo da maçã. Os AHAs são ácidos orgânicos, extraídos de frutas, leite, cana de açúcar e do arroz. O mais popular e comumente usado é o Ácido Glicólico.

De modo geral, dependendo da concentração e pH, podem agir como agentes hidratantes ou renovador celular e são solúveis em água (hidrófilas).

Como renovadores, agem para que ocorra um aumento de novas células, tornando o estrato córneo mais liso e flexível. Podem também atuar nas camadas profundas para que haja aumento de fibroblastos e síntese de colágeno.

Obviamente não podemos esperar todos esses efeitos destacados num mero limpador. Avaliando a lista de ingredientes, pode-se notar que ambos os princípios (óleo de girassol e ácido málico) estão bem no final da lista, longo, em concentrações menores. Entretanto, o produto cumpre apenas para que a pele tenha uma higienização adequada, desvanecendo impurezas e a camada escurecida ao longo do dia.

Para concluir, é livre de óleo mineral, corantes e álcool.

- Lista Completa de Ingredientes:

Water, coconut oil fatty acid PEG-7 glyceryl, ethylhexyl palmitate, DPG, tetraisostearic acid sorbet -30, Cyclopentasiloxane, glycosyl trehalose, tocopherol, apple juice, hydrolysis hydrogenated starch, carbomer, glycerin, hybrid sunflower oil, polysorbate 60, malic acid, hydroxide K, butyl paraben, propyl paraben, methyl paraben, fragrancefrasco de 145 mL.

AHA Oil Cleansing N é óleo interessante para retirar protetor solar, maquiagem e remover o excesso de sebo e sujeiras da pele. Textura espessa, agradável, sem escorrer, boa espalhabilidade e não deixa filme oleoso após o enxágue.

Quem gostou do Etude House Real Art Moisture, talvez goste mais deste pela eficiência na limpeza, sem ressecar a pele.

E o mais interessante: pode ser usando na pele úmida durante o banho.

- Onde comprar: o meu AHA Oil Cleansing N foi adquirido com a Makie Cosmetics, custando R$ 29,00+ frente. Toda a linha AHA by Cleansing Research também está disponível no site Ichibankao, saindo por volta de R$ 45,70 (convertido para a nossa moeda).

A Pele e a penetração cutânea

12 fev

Olá gente, hoje irei comentar um pouco sobre a permeabildiade cutânea, ou seja, a capacidade de permitir a penetração de ativos na pele.

O texto será um pouco longo, mas, por incrível que pareça, minhas postagens mais “técnicas” atraem mais visibilidade ao blog.

É uma leitura que eu já deveria ter publicada porque mudou a minha percepção de cuidados e cosméticos.

pele+permeação6

A pele é um tecido tegumentar e maior órgão do corpo humano. Anatomicamente,está dividida  em duas camadas, Epiderme (superficial) e Derme (intermediária), enquanto que uma terceira camada, Hipoderme, é considerada na literatura atual como Tecido Subcutâneo> Mas todas conferem funções importantes na manutenção do organismo humano:

pele+permeação2

Foto 3D da pele. Laboratórios Vichy.

Por ser um órgão complexo, a pele exerce várias funções importantes no nosso organismo, entre elas, proteção contra os microorganismos agressores; agentes físicos e químicos, perda de água e proteínas para o exterior, além de manter a temperatura corporal, percepção, imunidade, síntese da vitamina D. Desta forma, torna-se imprescindível à sobrevivência humana.

Vulnerable skin www MF fig 2

Fonte:  The pathophysiology of vulnerable skin

Barreira de Proteção e Impermeabilidade:

Feito uma breve introdução, o que nos interessa nesta postagem é entender como ocorre a barreira de proteção da pele e o que a concede como uma “capa” impermeável, biologicamente chamada de impedância.

Nem sempre todos os produtos cosméticos no mercado conseguem cumprir tudo aquilo que prometem, melhor dizendo, os ativos podem ter a sua penetração reduzida nas camadas da pele justamente por causa dessa impedância natural.

Por um lado, a impermeabilidade cria uma barreira eficiente contra agentes exógenos, porém, por outro lado, essa mesma barreira pode também diminuir a absorção de ativos. Em vista disso, a industria de cosméticos está sempre investidos em maneiras de otimizar a entrada de princípios na pele, como o uso de tecnologias de lipossomas, nanotecnologias, bases biocompatíveis, etc.

São vários fatores que colaboram com essa proteção:

- Queratinização: processo pelo qual se formam as proteínas da epiderme, pelos e unhas, que confere uma camada córnea resistente e impermeável;

-pH cutâneo: indicador funcional da pele e ocorre divido a função do ácido lático na superfície da pele, formando um “manto ácido cutâneo” – a pele apresenta um pH ácido, em torno de 4,6 e 5,8 – que contribui para uma ação fungicida e bactericida.

Com o envelhecimento da pele, o pH torna-se mais neutro, colaborando para reduzir  a proteção e permitir o aparecimento de rugas e flacidez.

- Conteúdo lipídico: produzido pelas glândulas sebáceas e formado por triglicerídios, ácidos graxos livres, ceras, colesterol, esqualeno, ceramidas e parafina. Os ácidos graxos fornecem ação fungicida e bactericida enquanto outros regularizam a função da barreira da pele.

Já comentei aqui, inúmeras vezes, como a função da barreira é imprescindível para proteção e integridade cutânea, principalmente para quem sofre de hipersensibilidade e dermatite atópica.

Uma pele com a barreira integra tem menor chance de apresentar alergias, irritações, desidratação e sofre menos com o envelhecimento extrínseco.

Um modelo esquemático que representa muito bem essa “barreira” é o  idealizado por Brick & Mortar para exemplificar o estrato córneo do ponto de vista da permeabilidade: os corneócitos (queratinócitos mortos) são tijolos, enquanto que os lipídios intercelulares atuam como um cimento nas vias ondulosas da epiderme:

pele+permeação1

Essa estrutura contém uma mistura de ceramidas, colesterol e ácidos graxos livres e tem papel formador da barreira de proteção e de manutenção da estabilidade da camada córnea.

Este modelo é o difundido até hoje como o mais adequado para a compreensão do arranjo celular para a permeabilidade cutânea.”

Por causa disso, a pele apresenta resistência à impedância maior que os outros órgãos do corpo humano.

O estrato córneo é praticamente impermeável agindo como um limitante para a absorção percutânea. Basta lembrar que até duas décadas, cerca de 70% das substâncias aplicadas na pele não ultrapassam nem esta camada. Foi quando começou a “era” dos Dermocosméticos.

Assim, denomina-se permeação percutãnea quando se deseja que determinadas substâncias penetrem no sistema transdérmico, passando através das camadas da pele até a corrente linfática e sangue, por onde serão transportados até os órgãos e retidos de acordo com objetivos.

Para compreendermos melhor a permeação percutânea é necessário estudar os fatores biológicos, fisiológicos, cosmetológicos e físico-químicos que ajudam ou atrapalham na permeação do cosmético.

No primeiro quesito, podemos citar que um ativo será absorvido pelo organismo por meio de duas vias de penetração:

Via Transdérmica: ultrapassando os estratos da pele, por difusão através das células (transcelular) ou entre as células (intercelular), porém, uma via muito lenta.em função da grande extensão da pele e de sua espessura, pois se deve permear o ativo até acamada mais profunda da pele (atravessa camadas e células).

Via Transnexal: pelos anexos cutâneos, como as glândulas sudoríparas, de menor importância na penetração; e folículos pilossebáceos, zona de maior facilidade de penetração:

pele+permeação3

Fonte: Permeação Cutânea in vitro.

Observem que é uma “via sacra” para um ativo penetrar na pele, devido a barreira de “tijolos e cimento”.

Entre os citados, para a permeação ocorrer é necessário que o ativo seja difundido por meio das bicamadas lipídicas intercelulares, “rompendo” essa barreira para que o mesmo chegue nos tecidos mais profundos.

Deste modo, composições lipossolúveis possuem poder de penetração relativamente permeável por se assemelhar com a barreira de proteção e por ter via de penetração nos canais pilossebáceos, os nossos poros.

Nos fatores biológicos, podemos incluir a espessura da epiderme, onde estudos mostram que devido ao afinamento da espessura, ocorre o aumento da penetração de cosméticos.

Uma pele com hiperqueratose tem a permeação dificultada pelo excesso de queratinócitos

Por isso a recomendação de utilizar esfoliantes químicos ou físicos, de 1 a 2 vezes na semana, dependendo da pele, para ajudar na remoção as células mortas no estrato córneo.

Com o tempo, a renovação celular natural torna-se reduzida e há um espessamento da camada da pele, dificultando ainda mais a penetração de ativos, que, em termos de revitalização, devem chegar em camadas mais profundas da derme. 

A redução de lipídios na pele, como o excesso de sebo, torna a permeação mais desejável. Lembrando que a higiene correta, reduz a quantidade de óleo, entretanto, de forma demasiada, afeta a barreira de proteção, atrapalhando não só a permeação como abrindo “portas” para agressões externas.

Além de outros fatores que podem influenciar na permeabilidade, como idade (uma pele mais espessa e desidratada perde a capacidade de receber ativos); região da pele (áreas mais espessas dificultam a absorção); hidratação (uma pele mais hidratada recebe melhor os ativos); exposição solar (o bronzeado, uma forma de defesa da pele contra a radiação UV, contribui para o seu espessamento); fluxo sanguíneo (o aumento da circulação periférica eleva o estímulo e a nutrição celular), etc.

Razões cosméticas, como já vimos nas vias de penetração, podemos citar substâncias lipofílicas (solúveis em lipídios) difundem-se mais rapidamente na matriz lipídica da pele na camada córnea, lembrando que a o estrato apresenta uma barreira semelhante à permeação de substâncias.

Ativos que seguem a lei da semelhança, análagos à ação da pele, como vitaminas, minerais e proteínas – estas, podem varias conforme o tamanho da molécula e lipossolubilidade.

Além de cosméticos que afinam o estrato córneo e procedimentos estéticos, como a limpeza profunda da pele (desengorduramento e desobstrução dos óstios…), manobras de massagem, uso de correntes elétricas (eletrólitos a íons positivos impermeiam facilmente), são mecanismos eficientes para aumentar a permeação de ativos na pele.

Podemos citar dois tipos de exemplo de peles em termos de permeação: a pele lipídica, quando o excesso de sebo e queratina reduzem a capacidade de penetração pelas vias foliculares e glandulares.

O primeiro cuidados num protocolo de estética para uma pele muito oleosa, é reduzir o sintoma seborreico e desobstruir os poros para, então, inciar qualquer outro protocolo, como hidratação, revitalização ou clareamento.

Enquanto que a pele alípica, pode ter a sua capacidade de receber ativos diminuída devido a sua tendência natural à desidratação, comprometendo o mecanismo de umectação da capa córnea. Logo, o protocolo inicial será melhorar a hidratação e criar uma integridade na pele.

De modo geral, o que falamos de uma pele integra é ter o balanço de lipídios e umectação equilibrados para garantir perfeita função fisiológica.

A título de curiosidade, quando observamos a rotina de beleza dos asiáticos, desperta atenção o “ritual” de aplicação de cosméticoscomo escrevi neste post: uso de loções, emulsões, máscaras e soros para “saturar” a pele de umidade, porque quanto mais hidratada for a camada córnea, maior será a permeação de ativos.

O resultado (claro, com efeito digitais também) vocês podem observar isso nas campanhas de cosméticos, onde as modelos apresentam uma pele com “brilho orvalhado” (glossy) sublime:

pele+permeação9

Lembrando que a hidratação deve ser endógenas (ingestão de água e alimentos ricos em água) e exógena (cosméticos umectantes e oclusivos).

DVC00174Outro componente do ritual são as técnicas de massagem para ativar a circulação sanguínea e oxigenação da pele, tudo isso para preparar a pele para receber os princípios ativos.

Procurem por Yukuko Tanaka, uma guru da beleza. Ela ensina técnicas de massagem facial, com diversos livros publicados no JapãoSão manobras manuais semelhantes à drenagem linfática que ajudam a levar nutrientes para a pele.

Por muitos anos, procedimentos, como limpeza de pele, uso de eletroterapias (corrente galvânica/iontoforese e eletroporação), massagens faciais, eram necessários quando se falava de permeação percutãnea, em vista que a variedade de cosméticos encontrados no mercado tinha apenas uma função oclusiva, ou seja, atuava apenas de modo superficial.

Para concluir, em relação aos fatores físico-químicos, o peso molecular de um ativo; a concentração; pH compatível, solubilidade (capacidade de uma substância em de dissolver em outra), etc.

Reduzir, por exemplo, o peso molecular de um princípio aumenta a sua razão de superfície “área-volume”.

Isso é bastante interessante para que o princípio ativo não só penetre, infiltrando-se nas camadas da epiderme, como também possa ser absorvido e levado até a derme, a circulação sanguínea  e linfática

Uma substância com baixo peso molecular (PM 100) penetra de 100x a 1000x mais rápida que moléculas de peso molecular alto (PM 400 ou superior).

Com base em estudos de permeação percutânea, ciência deu um passo para adesão de tecnologias como lipossomas, encapsulamentos, nanos ou micronização de ativos

São matérias-primas que permitem carrear substâncias para as células, liberando de forma gradativa e controlada os princípios e, assim, conseguem atravessar a barreira lipofílica, mantendo o ativo intacto até onde se deseja chegar.

Futuramente escreverei sobre cada uma delas, mas para não tornar a leitura muito enfadonha (por favor, espero que não!), citarei algumas marcas de cosméticos que disponibilizam.

O Pedro, do Cosme Asia, nos apresentou a linha de produtos Lunamer, da Fujifilm, com clear nano Vitamina E, estabilizada a 60 nm e nano Vitamina A:

pele+permeação4Eu recebi um gift com a emulsão e vou resenhar mais futuramente.

No mercado nacional, temos várias marcas que utilizam de nanotecnologias, técnicas de lipossomas e encapsulamentos de ativos, como, por exemplo, a Dermatus. Resenhei há pouco tempo um produto da linha Derma Clássico Repair.

A Adcos, tem em seus ingredientes, vários ativos com ácidos graxos livres (compõe 30% da secreção sebácea) e lipossomas, que, por ter alta afinidade com a membrana biológica da pele, permite maior absorção, além de ser biocompatível, biodegradável e atóxico.

O mesmo podemos sugerir da empresa Buona Vita, única empresa nacional que usa bases biocompatíveis: 100% livres de óleo mineral e parabenos e com princípios ativos que se assemelham à estrutura da epiderme,  os ômegas 3, 6 e 9, componentes do manto hidrolipídico, tornando assim,  a sua permeação mais segura e efetiva. 

O Boticário, entretanto,  é pioneira no pais em desenvolver ativos com nanotecnologias e, recentemente, mostrou num estudo sobre uma nanoemulsão de Retinol que, segundo o mesmo “tem maior eficácia terapêutica quando comparada ao uso isolado de tretinoína ou retinol microencapsulado“:

pele+permeação5Linha Active Dermato

Como falei no início do texto, hoje procuro sempre melhorar a forma de penetração, principalmente mantendo os poros limpos, renovando semanalmente o estrato córneo e hidratando-o.

Até fiz o meu primeiro peeling de cristal, porque a quantidade de barreira física que eu estou fazendo para proteger a pele no verão infernal no Rio de Janeiro está ocluindo bastante a pele. E, acreditem, não há cosmético que resolva isso melhor que procedimento manual

Até a próxima!

*Outras fontes consultadas:

- Guia de Produtos Cosméticos. BEZERRA, S. V.; RABELO, T.. Editora: Senac São Paulo.

- Nanocosméticos & Absorção Percutânea – JANSEN, Jocélia – UF Ponta Grossa.

Gift Review: Etude House Real Art Cleansing Oil Light

1 nov

Um dos melhores óleos demaquilantes que eu já usei foi um óleo da marca sul-coreana Amore Pacific, especificamente da linha Etude House Real Art Cleansing Oil.

real+art+light2

O primeiro foi a versão Moisture e, por incrível que pareça, eu nunca cheguei a resenhá-lo aqui, mas o Pedro e a Meire já detalharam tão bem que nem procurei descrever.

O Moisture proporciona uma higienização bastante eficaz, mantendo a pele integra após a limpeza. O diferencial é que rende bastante, desliza suave, tornando-se mais emoliente que os outros óleos que eu testei.

Pode ser usado em pele mais seca, mas não tive problemas aplicando na minha pele oleosa.

Outro diferencial é que não só o Moisture, como os outros óleos limpadores da marca, usam óleos vegetais na composição: óleo de coco, lavanda, laranja, melaleucaargan, etc. Desta forma, quem tem alergia ao óleo mineral, poderá optar por algumas das versões.

Em vista disso, interessei-me por outras versões da marca, como o Etude House Real Art Cleansing Oil Light:

real+art+light1

Alegações: indicado para peles oleosas e propensas à acne. Remove efetivamente maquiagem e as impurezas no interior dos poros, sem sensação gordurosa após a limpeza. Controla a oleosidade e acalma a pele.

Contém óleo de Lavanda e Laranja. Não contém parabenos,  álcool, óleo mineral, ingredientes derivados de animais e artificiais. Dermatologicamente e oftalmologicamente testados.

Nota: a embalagem tem a praticidade de ter informações em japonês e inglês.

O produto vem em um frasco resistente, com a válvula pump separada, além de “trava” de controle, permitindo transportar – possui também uma tampa de rosca para proporcionar maior segurança – o demaquilante em viagens sem correr o risco de causar vazamentos:

real+art+light4

A embalagem é um “primor”: a cara de espanto da Mona Lisa é porque suas sobrancelhas foram “apagadas” pelo óleo de limpeza, mostrando a eficiência do produto, numa alusão que ela tinha sobrancelhas pintadas.

Aplicar dois ou três “pumps” para uma higiene completa. Com dois “pumps” eu consigo um excelente aproveitamento do produto porque a válvula facilita a dosagem.

Ele é um pouco mais líquido que a versão Moisture,  que tem textura consistente – e talvez um pouco menos que o Shiseido Perfect Oil. Tem ótima espalhabilidade, muito suave para massagear a pele e a sensação dele é mais agradável que de um limpador à base de óleo mineral, sem muita viscosidade, entende?

Essa consistência é um ponto positivo porque permite melhor aproveitamento do produto, em menor quantidade, ou seja, percebi que ele rende bem mais que os outros óleos.

Fotografei, mas como é um óleo transparente – as cores observadas nas embalagens são provenientes das próprias e não do óleo em si – fica difícil visualizar:

real+art+light5

Não sei se preciso descrever o seu modo de uso, mas é para ser usado como a maioria dos óleos de limpeza: na pele seca, posteriormente, deve-se umedecê-la – o sugerido é aplicar água morna – e massagear novamente, emulsionando. Enxaguar com água abundante.

Ele tem uma leve fragrância que remete à lavanda – só remente, mas particularmente eu adoro o odor natural da lavanda – e acredito que não deve incomodar quem não goste do perfume com odor similar.

Resultados: foi um dos óleos que eu mais senti uma “limpeza profunda”, retira completamente o protetor solar (seja líquido e/ou em pó) e a oleosidade, aliás, neste ponto, até mais do que eu costumo apreciar num óleo demaquilante.

Eu poderia “pular” a segunda etapa, usando uma espuma para finalizar.

O Real Art Light não deixa resíduos viscosos sobre a pele e nem há a indicação de uma segunda limpeza, mas por hábito, sempre prefiro. Porém, mesmo usando uma espuma suave e hidratante, senti a pele repuxar, aquele efeito tensor de cútis bastante seca.

No início, quando os dias estão mais amenos, preferia nem aplicar a espuma de limpeza.

Por isso, recomendo usá-lo apenas como seu único limpador/ demaquilante, sem a necessidade de “double cleansing”. Eu usava desta forma o Shu Uemura Clarifying Gentle com ótimo resultado.

Eu não fiz teste com maquiagem, mas consultando várias resenhas, pude observar que ele confere excelente limpeza em diversos itens de maquiagem: máscara, batom, lápis, delineador, blush, etc. Algumas blogueiras comentam de 100% de satisfação com o uso dele.

Infelizmente, o mais chato veio depois, porque senti uma maior sensibilidade na pele, tanto ao toque quanto pela presença de placas avermelhadas. Percebi que poderia ser de algum dos óleos do produto.

O óleo de Lavanda, por exemplo, pode ter uma ação antibacteriana, porém, também pode irritar a pele, recomendando evitá-la em produtos de tratamento e usando-a apenas como agente aromaterápico.

Extratos e óleos de lavanda são encontrados em listas de ingredientes potencialmente irritantes/ causadores de alergias e que devem ser evitados.

Neste estudo, mostra que extrato de lavanda – assim como de menta e óleo de tea tree (melaleuca) – estão entre os ingredientes que mais causam dermatite de contato.

E para arrematar, o óleo de Laranja, também presente na fórmula, pode ser facilmente encontrado em listas de ingredientes sensibilizantes assim como a lavanda.

Eu procurei testar o produto por diversas vezes. Usava-o por uma semana, pausava na seguinte, limpando a pele com outro demaquilante, no caso, o Bioré Aqua Jelly. Com este, não sentia nenhum tipo de reação adversa.

Quando voltava para o Real Art Light, a pele ficava sensível a tudo, qualquer ácido já deixava irritada e notava o surgimento de pontos avermelhados no dia seguinte. Sem contar que ela ficava dolorida ao toque ou ardendo quando aplicava qualquer outro produto.

Na embalagem há a recomendação de descontinuá-lo em caso de irritações e ressecamentos e evitá-lo em contato com os olhos:

real+art+light6

Quando procurei ler resenhas sobre ele na eficácia como demaquilante, não percebi reações similares, pelo contrário, o Real Art Light é apontado como um excelente produto, em algumas resenhas, ela é indicado como um óleo removedor até mais prático que o Moisture.

Como sempre deixo claro, coloco apenas a minha opinião (subjetiva) e um cosmético que não me serviu, pode ser apreciado por outro tipo de pele.

- Lista Completa de Ingredientes:

C12-15 Alkyl Benzoate, triethylhexanoin, cetyl ethylhexandate, peg-20 glyceryl triisosterate, caprylic/ capric triglyceride, isopropyl palmitate, peg-8 isosterate, isostearic acid, lavandula angustifólia (lavander) oil, rosa canina flower oil, citrus aurantium dulcis (orange) oil, fragrancefrasco de 200 ml.

Confesso que as reações adversas me desanimaram de continuar usando o óleo de limpeza. Como puderam observar na foto, não utilizei nem metade dele.

O Real Art Light retira toda a maquiagem de forma eficiente, remove as impurezas nos poros e a oleosidade, mas recomendo usá-lo como único limpador. Pode ser usado até como substituto do seu sabonete facial matinal.

Para peles sensíveis e “problemáticas”, no entanto, indico testá-lo antes, principalmente se apresenta intolerância ao óleo de lavanda.

O frasco pode render bastante e o valor dele revendido no Brasil sai mais em conta que um bom demaquilante nacional. Embora não tenha gostado da versão Light, ainda pretendo conhecer as outras versões e recompraria a Moisture.

- Onde comprar: o meu foi uma cortesia da Vânia e custa R$ 59,70. No Cosmetic-Love pode ser encontrado por $20.00. Já na Makie Cosmétics custa R$28,00 + frete. 

Paula’s Choice Resist BHA 9 Spot Treatment

1 ago

Tenho usado continuamente uma loção com Ácido Salicílico para manter a pele sempre renovada e com os poros mais limpos.  Uso esta loção aqui e comentei na resenha sobre as propriedades do Ácido Salicílico na pele, como:

paulas-choice-resistBHA9-2

- Desobstrução dos poros: segundo Paula Begoun, o Ácido Salicílico remove as células mortas na superfície da pele como também atua na remoção dentro dos poros, facilitando o fluxo de sebo até a superfície e prevenindo obstruções, cravos e inflamações.

- Tratamento de Rosácea: BHA permite uma esfoliação mais suave em peles propensas à rosácea, que não suportam tratamentos com Tretinoína e outros derivados da Vitamina A, além de ter propriedade anti-inflamatória, o que ajuda a acalmar a pele (fonte). Também pode ajudar a reduzir o rubor e cuidar da pele com rosácea e que também sofre de cravos e espinhas (fonte). Claro, com orientação médica para observar qualquer reação adversa.

- Tratamento de peles oleosas: por todas as citações acima, o Ácido Salicílico é ingrediente clássico em produtos para peles oleosas e acneicas, por sua ação queratolítica, melhorando o fluxo de óleo na pele; antimicrobiana, evitando cravos e espinhas; redução de manchas vermelhas e cicatrizes de acne do passado; ação anti-inflamatória, reduz a irritação na pele (fonte e fonte).

- Tratamento de manchas, rugas, pele desvitalizada: o Ácido Salicílico bem formulado (isso depende da pH do produto para obter melhor resultado na esfoliação) atua para reduzir rugas, estimular o colágeno e permitir melhor firmeza da pele, melhorando o aspecto de peles danificadas pela ação do sol.

Como aumenta a taxa de renovação celular da pele, usado em conjunto com um ingrediente clareador que interrompa a produção de melanina, funcionam de forma sinergia contra as manchas (fonte e fonte)

- Cuidado para pele masculina, barba, foliculites: com as propriedades queratolíticas (esfoliação) e antimicrobiana, melhora a espessura da pele e evita a contaminação por bactérias, assim, os pelos podem ser removidos de melhor maneira, prevenindo inflamações no folículo piloso (foliculites) e pelos encravados (fonte).

- Tratamento de hiperplasias sebáceas: hiperplasia sebácea é uma desordem das glândulas sebáceas que aumentam de tamanho e tornam-se permantes na face, em forma de pequenos caroços claros. Indivíduos de pele clara, sensível e com maior produção de sebo podem ser acometidos desse problema.

Embora o Ácido Salicílico, em concentração cosmética (0.5% a 2%) não responde de forma eficaz no tratamento de hiperplasias, sendo necessário intervenção de um dermatologista, como o uso de tratamentos mais abrasivos, no geral, um cauterizador para remover completamente as hiperplasias (fonte).

Mas o uso diário de um produto com BHA, mesmo em doses baixas, pode ajudar na manutenção da pele, removendo o acúmulo de células mortas, desobstruindo os poros e reduzindo as inflamações prevenindo assim o surgimento de novas hiperplasias.

Eu sofro dessa desordem e era obrigado, todo ano, a fazer cauterização na pele para retirá-las. Percebi que, embora a loção com 2% de Ácido Salicílico não reduziu as imperfeições, eu observo uma melhora continua no surgimento de novas hiperplasias.

Porém, a Paula Begoun desenvolveu um produto com 9% de Ácido Salicílico, com melhor atuação nas hiperplasias. É o produto que vou resenhar hoje, acrescido de algumas indicações: Paula’s Choice Resist BHA 9 Spot Treatment

paulas-choice-resistBHA9-0

Segundo a empresa, é um produto formulado com a mais alta concentração de Ácido Salicílico em cosmético. Age como um tratamento para imperfeições mais resistentes, com BHA encapsulado e de liberação controlada, reduzindo qualquer tipo de irritação pelo produto, mas sem interferir na sua ação poderosa. Pode ser usado por qualquer tipo de pele, incluindo peles com rosácea ou eczemas.

Resist BHA 9 é multifuncional: redução de danos causados pelo sol, rugas, manchas e ressecamento; minimiza poros dilatados e obstruídos; refina a textura da pele; diminui cravos brancos e pretos, remove e amacia peles ásperas ou espessas; minimiza hiperplasias sebáceas, queratose pilar e foliculites, etc.

Sem álcool, corantes e perfume. O pH do produto: 3.2 – 3.5.

*Sempre informo que para uma ação esfoliativa do BHA, o mesmo deve ser formulado em pH entre 3.0 e 4.0 (fonte), mais ácido. Acima disso, ele já reduz o seu potencial neste quesito e é por isso que eu não recomendo mandar formular loções e cremes com BHA. Por experiência, eu prefiro no pH entre 3.2 e 3.4. Abaixo de 3.0 pode ser mais irritante à pele.

Resist BHA 9  pode ser usado em toda a face ou em áreas menores, onde há imperfeições. Mas tudo depende de como a sua pele vai reagir.

Eu indicaria em áreas isoladas, onde há algum incômodo (cravos, espinhas, manchas, hiperplasias) ou uma a duas na semana em toda a face, substituindo seu produto de tratamento (como Reinóides, AHAs, Hidroquinona…) para observar a reação.

No FAQ na pagina do Facebook, por exemplo, informa que ele pode ser aplicado em pontos isolados e depois manter o seu cuidado diário, como clareador e ou prescrição de um retinóide. Também pode ser usado no contorno inferior dos olhos, para minimizar linhas e reduzir pápulas brancas (milia).

Não deve ser usado por indivíduos alérgico à aspirina e derivados.

O produto vem num frasco cilíndrico, semelhante a um  corretivo, com 8,4 ml ou em Deluxe Sample de 0.83 ml:

paulas-choice-resistBHA9-4

No original, maior, há uma saída dosadora em válvula pump que permite controlar a quantidade, como vocês podem observar na foto abaixo:

paulas-choice-resistBHA9-3

Eu adquiri dois Deluxe Sample para testar em áreas isoladas, então, vou me basear nele.

A textura parece uma loção mais espessa, viscosa, transparente, embora em fotos quando em maior quantidade se mostra levemente amarelada:

paulas-choice-resistBHA9-1

Eu resolvi fotografar quase no final do meu último frasco, por isso, a imagem não está muito boa. Há vários reviews, como este, onde vocês poderão observar melhor a textura do produto.

Eu não usei em toda a face, mas pelos reviews que eu acompanhei, não tem bom espalhamento. Deve-se aplicar e massagear a área para melhor absorção, porém, eu sinto como se tivesse um filme sobre a área por vários minutos. No rosto todo, talvez possa ficar pegajoso, mas em pontos isolados, desaparece em 10 minutos.

Imediatamente ao aplicar o produto, eu senti uma leve ardência que desapareceu em alguns minutos. Não mostrou vermelhidão no ponto, nem tive qualquer outra reação ao aplicar outros produtos, como meu Retinol. E atentem que eu primeiro apliquei minha loção com BHA 2%, depois usei o BHA 9% onde desejava, em geral, em cravos e hiperplasias e, antes de dormir, meu retinóide.

Há relatos de descamações na área aplicada, perfeitamente compreensível, não só pela grande concentração de BHA, como também comum em quem começa a fazer tratamento com este ingrediente, mesmo em concentrações habituais de 2% em pH similar.  Eu não tive irritações ou descamações no dia seguinte, embora tenho já me foi relatado que isso ocorreu com um leitor do blog.

Eu realmente esperava a potencia de um leve peeling! Sério, receava que a minha pele ardesse demais, mas  não ocorreu.

Concentrações, por exemplo, de Ácido Salicílico acima de 6% a 12% são indicadas em tratamentos de calosidades e verrugas (fonte e fonte) e peeling combinado com outros ácidos (fonte); acima de 20% a 30%, em peeling isolado (fonte).

Resist BHA 9 tem ação gradual e controlada, liberando o ativo aos poucos, acrescido de ingredientes que reduzem a irritação, mas é uma “temor” que muitos parecem ter com o produto, veja o que Paula’s Choice responde:

“Resist BHA 9  é “forte”, mas suave. É difícil acreditar, mas depois de muita avaliação e análise de nossos testes mostraram que a forma de liberação controlada de BHA usada não apenas deixou a pele intacta como atuou como um anti-inflamatório (…) BHA 9 não pode ser comparado a qualquer produto semelhante.”

Resultados: bom, como usei esporadicamente, percebi respostas razoáveis com cravos e pequenas inflamações. É eficaz? Sim, mas nada extraordinário!

Sinceramente achei similar a qualquer outro produto com indicação similar para os problemas citados. Eu consigo resultados iguais e até mais rápidos com Galderma Epiduo Gel (Adapaleno e Peróxido de Benzoila) e Stiefel Cindoxyl Gel  (Clindamicina e Peróxido de Benzoila). Um gel com Clindamicina tem resposta em 12 horas na minha pele, enquanto que o Resist BHA 9 e só conseguia ver melhores em 48 horas.

Atuação em manchas pós-inflamatórias, poros obstruídos e outros cuidados, eu não avaliei em testes. Não tenho manchas na pele e meus poros andam bem controlados. Com espinhas? Idem, há quase dois anos que eu não tenho espinhas. Mas, se achei fraco com foliculite, não torço muito com espinhas.

Eu já uso uma loção com Ácido Salicílico há algum tempo, logo, não teria como avaliar melhor. Mas li vários reviews e, de modo geral, são satisfatórios. Vocês podem ler, por exemplo, no Make Up Palley, que há relatos de quem amou o produto enquanto outros desapontados. Há algumas seleções em revistas de Beleza com indicações dele ou sendo o “queridinho“:

paulas-choice-resistBHA9-5Como escrevi, não achei o produto espetacular como foi apregoado. Tenho leitores que adquiriram Deluxe Sample para testar e gostaria de saber a opinião. Aliás. o sample pode durar, dependendo da aplicação, umas 10 a 20 vezes.  Eu aplicava pequenas gotas, por isso tive um bom rendimento.

- Lista Completa de Ingredientes:

Propylene Glycol, PEG-75, PEG-8 , Water, Salicylic Acid, Glycerin, Avena Sativa (Oat) Kernel Extract,  Butylene Glycol, Boerhavia Diffusa Root Extract, Sea Whip Extract, Arginine, Polysorbate 20 , Disodium EDTA.

O ativo principal da fórmula mesmo é o Ácido Salicílico encapsulado. Alguns ingredientes como extrato de Aveia (anti-irritante e anti-inflamatório) , Glicerina (umectante), Arginina (antioxidante, umectante e regenerador) , alem de outros anti-inflamatórios ingredientes (Sea Whip e Celidônia) são usados para manter a pele livre de possíveis irritações e descamações.

Eu não recompraria o produto porque achei caro para os resultados. Efeitos similares eu consigo com outro produto com Ácido Salicílico de porcentagem inferior. Além disso, quero testar mais dois produtos com BHA que aproveito para indicá-los:

- Clean & Clear Advantage Oil Abserbing Treatment Oil-Free:

paulas-choice-resistBHA9-6

O produto da linha C&C não é comercializado no Brasil, ok? Eu não gosto da linha nacional por causa do álcool presente em alguns produtos, mas este, além de ter 2% de Ácido salicílico, atua num pH 3.2, o que permite cumprir uma eficiente esfoliação.

Ele parece interessante para substituir outra indicação aqui do blog, o Neutrogena Oil-Free Acne Stress Control, que tinha pH 3.4.

O Advantage Oil Abserbing tem textura opaca e pó que pode segurar a oleosidade natural da pele por algum tempo. Há um review positivo no site da Paula Begoun, aliás, entrou na lista dos 10 melhores produtos de Skin Care de 2012 pelo Paula’s Choice:

paulas-choice-resistBHA9-7

O melhor: custa cerca de 6,99 dólares em sites como o Drugstore.com.

- Olay Age Defying Classic Daily Renewal Cream:

paulas-choice-resistBHA9-8

Outro produto com 2% de Ácido Salicílico, porém, com pH 2.3. É um produto que eu usaria, casualmente, em substituição ao Resist BHA 9 e até mesmo ao meu ácido noturno de tratamento. Por quê?

O pH deste Age Defying é muito baixo e de certo vai esfoliar bastante a pele, a ponto de descamar (o Pedro já me confirmou isso) e pode irritar peles sensíveis. Não usaria diariamente.

Parece interessante como um bom esfoliante químico para uso conforme eu indico. Este produto já seria mais pertinente para peles não muito oleosas, desvitalizadas e com as primeiras linhas e rugas.

Como utilizaria apenas à noite, não ia me preocupar muito com a textura dele. Ele tem extrato de Aloe Vera, Glicerina e Vitamina E que podem amenizar descamações. Há também um Review da Paula e preço médio de 9,49 dólares.

Concluindo, deixo vocês com três produtos interessantes para quem precisa melhora a aparência dos poros, renovar a pele e outros benefícios. Ah, estou elaborando um mega post sobre Rosácea, já tinha prometendo isso aos leitores. Até breve!

- Onde Comprar:

O site Paula’s Choice entrega no Brasil, mas o frete encarece bastante o produto. Outra maneira é por meio de sites que fazem intermediação, como o Envios Diretos, onde o frete é escolhido de acordo com o tamanho da embalagem, peso, seguro e rastreio, vocês podem comprar o produto, seja o da Paula’s Choice ou da Drugstore, e intermediar pelo site de redirecionamento. Há a página do Facebook do Envios Diretos para maiores informações. Preço: $ 31,41 (8.4 ml) e $ 2,98 (0.83 ml).

Innisfree No-Sebum Mineral Powder

11 mar

Innisfree é uma marca sul-coreana, produzida pela empresa Amore Pacific. Quem acompanha as postagens do Pedro no East to West Skin Care deve ter lido sobre vários produtos da linha.

Os produtos seguem um marketing voltado à preservação do meio ambiente, o equilíbrio entre o homem e a natureza, com ingredientes botânicos da Ilha de Jeju. A filosofia é que se pode beneficiar dos extratos e essências de plantas orgânicas da região para curar problemas da pele, respeitando o eco-sistema.

innisfree

A linha No-Sebum, por exemplo, é livre de corante artificial, parabeno, talco, fragrância artificial (tem perfumes naturais, para demonstrar uma “experiência sensorial” das várias essências da natureza de Juju) e ingredientes de origem animal e óleo mineral.

As embalagens também seguem a filosófica da marca: 100% recicláveis, consomem menos recursos naturais, cuja produção e transporte reduzem a emissão de CO2 no meio ambiente. São mais funcionais e práticas, sem luxo, com design ecológico.

A resenha de hoje é de um produto da linha No-Sebum, formada por um primer, um pó compacto e um pó solto: Innisfree No-Sebum Mineral Powder:

innisfree+no+sebum4

Descrição do produto: essência em pó que absorve as células mortas e o sebo com pó vegetal de origem natural. Contém um duplo sistema de controle do sebo e cobre/ suaviza poros e linhas finas apresentando uma aparência livro de brilho. O que eu pude constatar nas minhas pesquisas é que além do pó mineral de Jeju, tem ingredientes básicos num bom pó primer/ blot, como sílica e mica, além de essência de hortelã de origem natural.

innisfree+no+sebum2

O produto vem num recipiente compacto que basta girar a tampa para abrir. Tem uma esponja macia no interior e suporte para proteger o pó e permitir saída dosadora. São apenas cinco gramas, mas como se trata de um pó indicado para reduzir o brilho na zona T, onde se concentra maior produção de sebo ao longo do dia, minimizar a aparência de poros, linhas e imperfeições, é uma quantidade pertinente. O Mac Prep+Prime Transparent Finishing Powder tem apenas oito gramas e também é indicado para áreas seletivas:

innisfree+no+sebum1

O cheiro é levemente herbal – na verdade, só consigo senti-lo quando aplico próximo ao nariz – e a essência de hortelã apenas proporciona uma suave sensação refrescante na aplicação.

Ele não tem cor, embora branco, ele desaparece na pele. Não fiz swatch dele porque some totalmente mesmo. Seria translúcido ou a que a indústria de beleza chama de “cor universal” que pode ser usado por todos os tons de pele.

innisfree+no+sebum3

É muito fino, parece um talco. Quem já tem o hábito de usar pó solto, como o Blot da Mac, Mufe ou Clinique deve saber do que eu estou falando, aliás, que fique bem claro que eu sou uma negação com produtos de maquiagem e me perdoem a falta de desenvoltura para usá-lo.

Um pó solto com as características dele é indicado para finalizar e dar acabamento à maquiagem, permitindo um aspecto unificado e natural. Pele de porcelana! A recomendação é aplicá-lo após a sua rotina de cuidados ou até mesmo antes da maquiagem para criar uma condição de pele bonita.

Pelo o que eu percebi entre resenhas e comentários em geral, um blotting powder confere melhor resultado como finalizador (pele sedosa, mate e disfarce de poros e linhas) que pré make (apenas efeito mate). Eu não usaria na pele nua, o melhor seria numa pele previamente hidratada, por cima de um primer, make up ou mesmo um filtro mate para observar melhor resultado. Ele não acrescenta textura, o que poderia tornar a aparência mais artificial.

O Innisfree No-Sebum age como um blotting paper: onde você aplica, o óleo é absorvido, além de ajudar a manter a pele fosca por algumas horas. Isso vai depender muito da rotina de beleza e a condição da pele de cada um.

Eu aplico com a esponja que vem junto ao produto, mas depois passo um pincel médio de blush, com menos cerdas – quero um Kabuki urgente – para retocar melhor, principalmente nos cantos do nariz. Sem esfregar.

Eu o testei de várias formas:

Quando uso o Nivea Sun Mild, um filtro com ótimo acabamento, efeito mate e primer, finalizo com o Innisfree No-Sebum e a pele fica notavelmente bonita, fosca, brilho controlado, poros levemente camuflados e aspecto natural. Aplico apenas na zona T e canto das bochechas. Não acentua white cast por ser fino e translúcido. Percebo que, dependendo do clima, a oleosidade pode aparecer após quatro ou cinco horas. Depois disso, um leve retoque – que não “pesa” na pele – pode resolver tudo. Li inúmeras resenhas que demonstram a média de tempo que eu estou falando.

Compreenda, eu uso apenas um ótimo filtro solar como matificante. Quem adiciona na rotina outros produtos que controlam o brilho, além de um primer e comum, poderá ter um resultado mais satisfatório.

Usando-o com um primer, como o Avon Magix Face Perfector, a pele parece incrível. Mas eu fiz isso à noite.

Porém, quando eu uso com um filtro mais “neutro“, que não proporciona acabamento mate, o retoque que eu dou com o pó já não fica tão bonito e eu acabo aplicando quase na pele toda para ter um visual mais homogêneo. Mas o visual não dura muito tempo, dependendo do clima, umas duas ou três horas.

Por exemplo, quando uso o Omi Solanoveil Watery Gel, que é um filtro solar que eu considero “neutro“, não segura a oleosidade e nem atua como um bom primer, eu aplico o Avon Magix e finalizo com o Innisfree No-Sebum. A pele fica fosca e a oleosidade tarda a aparecer.

Neste site tem um “antes e depois“, nem digo que parece “armação” porque a minha pele num dia quente fica nesse estado deplorável – ou basta usar um filtro solar como Anthelios ou Episol – e vocês conseguem com um bom arsenal – leia: filtro asiático, primer e –  melhorar consideravelmente.

Conclui que a melhor combinação é o uso de um primer + pó finalizador para observar os resultados de matificação e minimização dos poros.

Nosso consultor para “pó air brush para pele”, Roberto, poderia comentar melhor sobre isso!

- Lista de Ingredientes:

Silica, Maize Starch, Dimethicone, Vinyl Dimethicone Crosspolymer, Caprilic, Methicone, Green Tea, Peppermint leaves, Mineral salt, Ethylhexilglycerin, Glycerilcaprilate, Ethylene, 1,2-Hexadinol, Spice - pote com 5 g.

O mais relevante é a sílica, ingrediente encontrado entre os melhores blotting powder, como o Mac Prep+Prime Transparent Finishing Powder, o Make Up For Ever Microfinish Powder HD e o E.L.F Studio High Definition Powder.  O que ela pode fazer à sua pele? Absorver oleosidade (alguns tipos de sílica podem absorver até 10 vezes o seu peso em óleo), refração da luz e conferir uma “ilusão ótica” de pele acetinada, suavizando linhas e poros. O resultado depende muito da aplicação – nada de exagerar com pincel largo e polvilhar o rosto todo.

O Mac Prep+Prime se assemelha ao Innisfree No-Sebum por tem sílica e amido de milho, ajudando a preservar a pele mais seca por algum tempo, porém, o Mac tem mica que também atua refletindo a luz e a minimizar opticamente imperfeições. Já a composição do EIF também se parece por ter sílica e silicones que permitem bom acabamento. Mas isso são apenas comparações teóricas, pois não testei as duas marcas para confrontar melhor.

O único descrito aqui que tem 100% de sílica é o Mufe e não por menos o “campeão” em se tratando de maquiagem HD.

Talvez a presença do Chá Verde no Innisfree No-Sebum possa ajudar a prevenir a oxidação do sebo, mas pela quantidade que se usa do pó na aplicação não contaria tanto com isso. A presença de vários silicones permite um acabamento mais leve e natural.

Innsifree No-Sebum é o meu primeiro blotting powder, então, eu não tenho muita experiência para compará-lo com bons produtos similares. O que eu percebi é que ele cumpre bem no papel de um “mata-borrão“, mas em termos de suavizar linhas e poros, dependerá muito da sua rotina de produtos. Prefira-o como um pó finalizador que terá melhores resultados para fixar a maquiagem e disfarçar imperfeições.

O melhor é o preço dele, a Vânia está vendendo por R$ 29, 00 no site. E realmente não é um produto caro se for procurá-lo em sites estrangeiros. No Brasil, lojas que vendem blotting powder estão por volta de R$70,00, dependendo da marca.

- Onde comprar: o meu foi comprado com a Vânia (aqui), mas esse produto esgota fácil. Aliás, a Vânia agora está com um site também. No Ebay, tem a Cosmétic Love com vários produtos da Innisfree, o No-Sebum custa $9,98. E para quem prefere uma loja coreana, tem a Sasa.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 553 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto:
- nice8 - price6